Irmãs de Sion peregrinam na Tunísia e encontram túmulo de Padre de Sion.

Peregrinação a Djerba (Tunísia) de 1º de maio a 4 de maio, por Ir. Agnès Perrin.

Passamos 3 dias em Djerba, uma ilha localizada a 531 km de Nabeul. Foi por ocasião da peregrinação anual dos judeus a Ghriba. Eles vêm da Europa, norte da África, Israel e até da Rússia. Eles estavam em torno de 5000. O número deles dobrou em relação ao ano passado, graças à segurança implantada em toda a região.

Também neste ano, nesta segunda-feira, 2 e 3 de maio, foi realizada uma conferência internacional sobre o diálogo de religiões e civilizações para a luta contra o terrorismo e o extremismo.

Foi uma atmosfera festiva na pequena sinagoga, uma das mais antigas do norte da África, relacionada aos sacerdotes israelitas que se estabeleceram em Djerba após a destruição do Templo de Salomão por Nabucodonosor em 586 aC. Eles teriam trazido uma porta do Templo e tornado aí um lugar de peregrinação.

No final do dia, um rolo da Torá foi aberto e uma procissão ocorreu ao redor do bairro.

Durante a nossa estadia, conhecemos muitas pessoas diferentes. O jovem padre de Djerba, de 36 anos, de origem italiana, chegou em setembro nesta ilha. Ele é muito próximo da população. Ele fala árabe muito bem e até no dia da conferência ele falava árabe. Em suas descobertas da ilha, ele encontrou uma lápide de um padre de Sion, que era missionário nesta área.

Lápide do Pe. Gabriel Deshay, NDS.

 

Pe. Gabriel Deshay foi um sacerdote missionário de Sion que construiu em 1920 a antiga igreja católica de Notre-Dame de la Garde, na época do protetorado francês.

Na Tunísia de hoje, uma pequena comunidade de Irmãs de Sion (Ir. Agnes Perrin, N.D.S. e Ir. Araceli Medina, N.D.S) cuida de bebês cujas jovens mães enfrentam escolhas difíceis em suas vidas.

Leia mais sobre isto em francês.

Informações e fotos: Ir. Agnès Perrin; Vocationnetwork.org; Museu de Zarzis.   /   Tradução: Fr. Joel Moreira, NDS.

Comments

comments